O que faz uma empresa ter sucesso? Sem dúvidas, um dos pilares mais importantes de um negócio, independentemente de seu segmento, são os colaboradores. Ter funcionários motivados, produtivos, satisfeitos e com habilidades diferenciadas é, sem dúvidas, algo que traz resultados muito mais significativos para uma empresa.

Por isso, descobrir como ser um bom líder, quais são suas habilidades, como aplicar a liderança junto à equipe e quais são os tipos de líderes existentes é fundamental. Quer fazer a diferença na sua empresa, tornar-se uma referência no mercado e conquistar resultados cada vez melhores para o seu negócio? Continue a leitura e permita-se conhecer uma nova forma de gerenciar equipes: o trabalho da liderança. Vamos lá!

O que é liderança?

A liderança é uma habilidade individual de conduzir e gerenciar grupos, ajudando essas pessoas a conquistarem resultados, desenvolverem suas habilidades e melhorarem sua performance em qualquer que seja a área analisada.

O líder é um profissional que tem habilidade de influenciar, motivar e comunicar-se com as pessoas de forma diferenciada, mantendo sempre a ética e a positividade como pilares dessa comunicação.

É preciso que esse profissional seja capaz de desenvolver as próprias habilidades na gestão de crises e pessoas e, por meio disso, também auxiliar sua equipe a desenvolver habilidades e competências que podem auxiliá-la no dia a dia do seu negócio.

Qual a sua importância dentro das organizações?

Ter um profissional com a característica de líder pode trazer vários benefícios para a empresa: ajuda a torná-la um bom lugar para trabalhar, melhora a performance dos colaboradores, aumenta os resultados, ajuda na resolução de crises e muito mais.

Melhora da visão globalizada da empresa

Um líder pode ser considerado um representante da empresa. Esse profissional precisa entender como o negócio funciona como um todo, conhecendo seus setores e processos.

Mesmo que o líder não trabalhe efetivamente em cada um dos setores, é fundamental que ele saiba como cada um dos times opera, quais são suas atividades, necessidades, desafios e, claro, o papel de cada um deles dentro da empresa.

Esse conhecimento ajuda a transformar a companhia, estimulando um trabalho alinhado e diferenciado, reforçando a cultura da organização nos grupos liderados e criando um controle muito mais efetivo no planejamento.

Maiores flexibilidade e adaptabilidade

Trabalhar a flexibilidade e a adaptabilidade está no topo da lista de dicas de como ser um bom líder. A figura do líder auxilia na adaptação da equipe a novos processos e a novas realidades e, claro, ajuda a reduzir os conflitos e gerenciar momentos de crise.

Esse profissional tende a ser versátil, sendo capaz de trabalhar em diversos cenários e auxiliar a empresa a passar por mudanças.

Maior caráter comunicativo

O profissional apresenta um caráter comunicativo muito forte. Por isso, a comunicação dentro de uma empresa que investe nessa figura na liderança se torna muito mais eficiente.

Os colaboradores ficam satisfeitos, suas necessidades e dificuldades são ouvidas e, com isso, existem mais chances de serem solucionadas.

Maior habilidade para dar feedbacks

Esse profissional também tem uma imensa habilidade de dar feedbacks. Por isso, é comum observarmos o desenvolvimento dos colaboradores e a melhora da produtividade, da performance e, claro, dos resultados.

Um profissional que seja capaz de trabalhar os feedbacks dos colaboradores contribui diretamente para o crescimento da empresa. Afinal, ele é capaz de identificar cada um dos colaboradores individualmente, analisando suas habilidades e dificuldades, e, com base nisso, ajudando a equipe a aprimorar sua performance, tornando-se mais produtiva e estratégica.

Qual a diferença entre líder e chefe?

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o líder e o chefe são figuras completamente diferentes. No papel de liderança, é preciso ter a habilidade de lidar com outras pessoas, sempre pensando na motivação e no desenvolvimento pessoal.

Um líder tem foco no crescimento profissional desses colaboradores, ajudando-os a alcançarem seus objetivos. Claramente, o líder é uma pessoa que tem o foco no coletivo.

Do outro lado, o chefe é uma figura que mantém pouco contato direto com a equipe, e suas tarefas e preocupações estão mais voltadas para a necessidade de resultados claros, burocracias e centralização de poder.

Se você está se perguntando como ser líder ou como ser chefe, essas características precisam ser exploradas.

Quais são os tipos de liderança?

Existem vários tipos de liderança. Empresas e equipes diferentes podem exigir lideranças distintas. O ideal, nesse contexto, é identificar qual tipo de liderança você mantém, de que tipo de liderança a sua equipe precisa e como trabalhar nesse contexto.

Por isso, listamos os tipos de liderança mais comuns, com suas abordagens, vantagens e problemas, para que você analise e escolha aquele que melhor se encaixa com as suas necessidades.

Liderança autocrática

A liderança autocrática é focada no chefe. Nesse modelo, os colaboradores não participam de muitas etapas importantes, como a tomada de decisões. Apenas o chefe e sua opinião sobre o assunto são considerados.

Sendo assim, o gestor que desenvolve a liderança autocrática costuma ser muito mais rígido com os colaboradores, com cobranças mais intensas e pressionadas sobre os resultados, desconsiderando também as sugestões e intervenções de seus funcionários.

Há algum tempo, esse tipo de liderança era comum e muito aplicado. No entanto, esse padrão tem mudado. Afinal, nesse modelo, a empresa tem dificuldade de fidelizar os próprios colaboradores, alcançando taxas de turnover muito altas dentro das equipes. Isso significa uma companhia perdendo talentos com frequência, devido à inflexibilidade.

Liderança democrática

A liderança democrática é uma mistura de autocrática e liberal: o foco é dividido entre líder e equipe. Nesse contexto, a gestão acontece democraticamente, com a participação ativa dos funcionários durante o processo de construção de soluções e busca de resultados dentro da empresa.

Os colaboradores, muito mais ativos, podem dar suas opiniões sobre os mais diversos assuntos, sugerir algumas soluções, apresentar problemas e, claro, também dar seus feedbacks sobre todo o processo.

Ao contrário da liderança autocrática, na qual o chefe é o centro e a única opinião que importa, o sistema democrático permite um pensamento focado no bem-estar de toda a instituição, considerando a coletividade e o crescimento dos colaboradores internamente.

A liderança democrática desperta no colaborador um sentimento de pertencimento, valorização e liberdade, uma vez que esse profissional é reconhecido pelo seu trabalho, pode opinar a respeito de assuntos importantes da empresa e, claro, tem liberdade com a gestão para falar sobre suas dificuldades, facilidades e sugestões no ambiente de trabalho.

Esse sentimento de bem-estar provocado por esse modelo de liderança estimula os colaboradores e pode, inclusive, aumentar a produtividade da equipe.

Liderança liberal

A liderança liberal, por sua vez, tem um foco maior na equipe, tornando-se o extremo oposto da liderança autocrítica.

Nesse modelo, a equipe tem total liberdade e é capaz de definir quais são as melhores soluções e os caminhos ideais para resolver os problemas da empresa. Nesse cenário, um líder não se torna necessário, uma vez que os profissionais não exigem supervisão direta de alguém — são considerados maduros e qualificados o suficiente para analisarem e gerenciarem o trabalho.

No entanto, apesar de esse cenário parecer o melhor dos mundos, ele costuma dar alguns problemas em longo prazo. Afinal, uma equipe sem referência direta e sem liderança pode acabar por relaxar no dia a dia, reduzindo a produtividade e não entregando os resultados esperados.

Um outro efeito dessa liderança é a redução da qualidade do trabalho, uma vez que não haverá mais feedbacks motivadores para a equipe.

Liderança situacional

A liderança situacional tem foco diferenciado: nas situações e na maturidade dos profissionais. Esse modelo de liderança costuma ser exercido analisando o nível de cada um dos colaboradores da empresa, além de considerar também as situações específicas da organização.

Nesse contexto, a liderança situacional é considerada a mais flexível e adaptativa, exigindo que o gestor seja capaz de se adequar de forma rápida, ágil, estratégica, precisa e inteligente a cada uma das novas necessidades e demandas do negócio.

Considere o cenário de uma empresa: diariamente, várias situações diferentes aparecem e exigem novos posicionamentos por parte do líder, desde problemas no setor até a gestão de pessoas da equipe. O líder precisa conquistar um bom desempenho em um ambiente como esse, fazendo com que suas decisões, avaliações e ações do dia a dia sejam adequadas a cada situação específica, sem prejudicar alguns colaboradores ou favorecer outros de forma desigual.

A liderança situacional, por ser adaptável, é capaz de levar motivação e qualidade de trabalho para profissionais de diversos níveis de maturidade, desde o estagiário até um colaborador com níveis profissionais mais avançados. A vantagem é a capacidade de gerir com flexibilidade, considerando comportamento, emocional e capacitação técnica de cada um dos profissionais da sua equipe, aumentando as chances de sucesso e melhorando, de forma significativa, os resultados esperados.

Liderança coach

O líder coach tem um foco muito mais direcionado para pessoas e resultados alcançados. Ao contrário do que muitos pensam, o coach não é uma pessoa que se preocupa exclusivamente com a conquista de resultados. O processo de liderança desse tipo de líder foca em identificar as necessidades de cada um dos colaboradores, treiná-los e ajudá-los a se desenvolver de acordo com seus objetivos, competências, qualidades e dificuldades enfrentadas no dia a dia.

Dessa forma, os colaboradores liderados por esse profissional conseguirão aumentar seu potencial e sua motivação e conquistar resultados muito mais interessantes e expressivos para o negócio.

O líder coach aplica, portanto, seus conhecimentos de coaching, ajudando os colaboradores a descobrirem e aperfeiçoarem habilidades comportamentais, emocionais e técnicas, trabalhando seus pontos fracos e reforçando e valorizando seus pontos fortes.

O trabalho direcionado para esses aspectos traz muitos benefícios não só para os profissionais, mas também para a empresa.

Nesse cenário, o líder coach também trabalha de forma diferenciada em outras áreas. A primeira delas é a comunicação com os colaboradores. O processo de diálogo se torna muito mais preciso, com a linguagem e a sensibilidade adequadas para trabalhar cada um de seus clientes.

Junto a essa comunicação diferenciada, aparecem também os feedbacks. O líder coach tem uma estrutura de feedbacks mais consultiva, com correções, dicas de melhorias e uma abordagem pessoal e diferenciada, que acaba por motivar os colaboradores e instigá-los a aprimorarem suas habilidades, desenvolverem novas e crescerem profissionalmente.

Essa motivação ajuda a tornar o ambiente de trabalho muito mais produtivo e positivo, fazendo com que os colaboradores se sintam muito mais à vontade, felizes e capazes de executar suas tarefas de forma muito mais efetiva.

Liderança técnica

O líder técnico, como o próprio nome diz, é um profissional que apresenta uma capacidade técnica avançada, tornando-se referência dentro e fora da empresa. Suas decisões, por se basearem em conhecimento técnico, têm um peso imenso e costumam ser facilmente aceitas e respeitadas por todos os colaboradores, uma vez que a equipe se sente segura com o suporte e o conhecimento desse profissional.

Essa liderança, no entanto, pode gerar um tipo de acomodação por parte da equipe. Imagine o contexto em que o líder do time é uma pessoa extremamente técnica e que passa segurança para a sua equipe. Em um mundo perfeito, seria o ideal, uma vez que os colaboradores poderiam contar com o conhecimento técnico desse profissional em momentos de dificuldade e desafios.

No entanto, o que comumente acontece é uma estagnação dos colaboradores, que, agora, não se desafiam, pois seguem os passos do líder técnico. Esse modelo, se não for trabalhado com muita sabedoria, pode dificultar o desenvolvimento dos profissionais, fazendo com que eles não se sintam desafiados e estimulados no dia a dia, reduzindo a produtividade e fazendo com que a equipe trabalhe apenas cumprindo ordens.

Liderança motivacional

O líder motivador é um profissional capaz de trabalhar sua equipe de forma muito eficiente, por meio da emoção. Seu foco é na motivação da equipe e no desenvolvimento de suas habilidades com um apelo emocional mais intenso.

Os líderes motivadores podem despertar, nas pessoas, a necessidade de desenvolver habilidades que, até então, os colaboradores ainda não sabiam que existia. É uma forma mais emocional de gerenciar a equipe, instigando seus profissionais ao autoconhecimento, com a definição de propósitos, objetivos e o senso de pertencimento e equipe.

Por ter um apelo muito focado no emocional, esse líder precisa saber lidar com as mais diversas personalidades, trabalhando cada indivíduo da equipe de forma pessoal e diferenciada. No contexto de crises, grandes mudanças ou uma taxa de turnover muito grande, esse modelo de liderança se torna fundamental, pois aumenta a sensação de pertencimento dos colaboradores, ajudando-os a se identificarem como parte importante da empresa.

Um exemplo desse tipo de líder são os treinadores esportivos, que auxiliam a equipe a se conhecer, identificar suas forças e, por meio de um discurso encorajador, melhorar seus resultados.

O desafio, no entanto, é fazê-lo de forma natural e sutil. Tome cuidado para não parecer uma abordagem forçada, com muita energia.

Liderança carismática

O líder carismático é capaz de conquistar a fidelização do seu time por meio do seu carisma. Com um posicionamento diferenciado, esse profissional é capaz de inspirar seus colaboradores por meio do exemplo e torna-se uma referência dentro da equipe, que o vê com bons olhos.

A liderança carismática costuma ser utilizada por gestores que não têm experiência ou conhecimento técnico dentro da área da equipe que estão gerenciando. No entanto, apesar da falta de conhecimento técnico, esse profissional consegue influenciar os membros do time, pois eles se identificam e inspiram-se na pessoa carismática e atenciosa que os lidera.

Como trabalhar com cargos de liderança?

Algumas pessoas nascem com o dom da liderança. São capazes, naturalmente, de liderar pessoas, comunicar-se de forma simples e clara e, claro, motivar aqueles que estão à sua volta.

No entanto, também é possível aprimorar e desenvolver essas habilidades, seja por meio de cursos, seja por meio de leituras, seja por meio da experiência prática propriamente dita.

Descubra com as dicas abaixo como ter cargos de liderança.

Desenvolva empatia pela sua equipe de trabalho

A máxima “não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você” é o ponto-chave para o desenvolvimento da empatia, tanto no local de trabalho quanto nos outros patamares da vida.

Dessa forma, você aprende a se colocar no lugar do outro e desenvolver sua inteligência emocional, que o ajuda a enxergar os membros da sua equipe como pessoas diversas, que enfrentam dificuldades e têm necessidades, objetivos e habilidades diferenciados.

Dentre as dicas de como ser um bom líder, a habilidade de se colocar no lugar dos outros é fundamental. Para exercitar a empatia no dia a dia, coloque no seu calendário, uma vez por mês, a tarefa de se envolver com os processos operacionais da sua equipe, identificando, portanto, quais são os desafios dos seus liderados, como eles realmente trabalham, o que enfrentam diariamente e muito mais.

Saiba ouvir seus colaboradores

Desenvolver a habilidade de ouvir as pessoas é fundamental. Um bom líder precisa ser capaz de ouvir seus colaboradores, reconhecer suas necessidades e dificuldades e, por meio do seu trabalho, ajudá-los a resolver cada um de seus problemas.

A experiência do usuário não é uma exclusividade das estratégias de marketing digital: ela também precisa ser considerada no contexto profissional, principalmente na gestão de pessoas. Por isso, é preciso saber ouvi-los e trabalhar de forma empática.

Estude PNL

A PNL (programação neurolinguística) é uma excelente maneira de entender como o ser humano funciona, quais são suas motivações e seus objetivos e, a partir de gatilhos mentais, ser capaz de estimular as pessoas a tomarem atitudes diversas.

Com o conhecimento da PNL, você conseguirá ter uma abordagem muito mais precisa com cada um dos seus colaboradores, além de ser capaz de identificar o tipo de discurso que funciona de forma mais motivadora e desafiadora para cada um deles.

Estude sobre inteligência emocional

É essencial que você saiba identificar cada membro da sua equipe como uma pessoa diferenciada, com toda uma bagagem emocional, social e estrutural.

Por isso, entender a inteligência emocional, desenvolver a própria e ser capaz de auxiliar a equipe a fazer o mesmo é fundamental.

Lidere pelo exemplo

Sem dúvidas, o líder é um exemplo para os seus colaboradores. Por isso, é preciso largar aquele velho jargão “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço” e começar a ser exatamente o modelo de profissional que você espera que sua equipe seja.

Como ser um bom líder e inspirar os colaboradores?

Aplicar a liderança dentro da empresa exige alguns cuidados básicos. Seja na implementação em departamentos antigos, seja ao criar um departamento, esse novo modelo de gestão é uma excelente pedida para conquistar resultados satisfatórios. Se você está se perguntando "como ser líder no meu trabalho?", atente aos pequenos passos de que trataremos a seguir!

1. Evite a formalidade em demasia

Evite a formalidade excessiva. Seja capaz de aliviar as tensões dentro do ambiente de trabalho com reuniões, encontros e abordagens um pouco mais informais, tornando o dia a dia muito mais agradável e leve.

2. Reduza a burocracia

Para ser um bom profissional na área da liderança, diminua as burocracias do dia a dia. Avalie tudo aquilo que pode ser melhorado, eliminando aquelas partes que apenas atrasam o processo e agilizando a tomada de decisão.

3. Não fuja do realismo

Seja sempre realista e capaz de encarar as coisas de uma forma imparcial. Analise todos os contextos e possibilidades antes de tomar uma decisão.

4. Tenha simplicidade

Torne os processos de trabalho mais simples. No entanto, não se esqueça de ouvir a opinião dos seus colaboradores antes, durante e após os ajustes nas rotinas de trabalho.

5. Enfrente desafios

Veja as mudanças como desafios e oportunidades de crescimento. Trabalhe sua inteligência emocional para manter a calma e conseguir motivar e auxiliar seus colaboradores mesmo em momentos muito desafiadores.

6. Estimule a motivação

Seja capaz de motivar e demonstrar aos colaboradores como seus esforços e atitudes estão ajudando no crescimento da empresa. Dê feedbacks completos, com sugestões de melhorias, e sempre elogie esses profissionais por suas conquistas.

7. Mantenha a organização

Ser organizado é fundamental. Faça listas, defina prioridades e estabeleça prazos factíveis para a sua equipe. Se possível, sempre trabalhe com uma margem de segurança com prazos e deadlines, garantindo que, caso haja algum problema, sua equipe consiga trabalhar com calma, qualidade e eficiência para conquistar os melhores resultados.

8. Promova a comunicação

A comunicação é a peça-chave para um líder. Por isso, é preciso que você conheça cada membro da sua equipe e comunique-se de forma adequada com cada uma dessas pessoas.

É preciso ter sensibilidade para entender os desafios de cada um deles, o contexto e, claro, como você pode ajudá-los no desenvolvimento individual e em conjunto.

9. Valorize o reconhecimento

Trabalhar em posição de liderança exige que você sempre reconheça as conquistas do seu time. Como explicado no tópico sobre motivação, os feedbacks positivos são necessários para deixar o time muito mais motivado e satisfeito com o trabalho realizado até então. Sendo assim, celebre os bons resultados, elogie a equipe e mantenha-a feliz e satisfeita!

Descobrir como ser um bom líder é o primeiro passo para mudar a realidade da sua empresa. Agora que você conhece os tipos de liderança existentes, é possível decidir em qual modelo você se encaixa e descobrir quais são as habilidades que precisam ser desenvolvidas para fazer o melhor trabalho possível com seus colaboradores.

Gostou do conteúdo e quer aprender mais sobre o assunto? Confira nosso artigo sobre como ser um bom gerente de marketing digital.